Cada geração no seu quadrado

Haters gonna hate, mas a real é que eu não suporto quem fica de mimimi falando que a infância dele foi melhor do que a infância das crianças de agora.

Claro que foi. Foi a SUA infância.

É, sou de 1991 e tenho míseros 21 anos. Minha infância não foi há tanto tempo assim. Mas, na minha infância, você precisava ter muita grana pra ter videogame, computador, celular, internet e tv a cabo. E meus pais não tinham.

Meu “acesso à tecnologia” era o super nintendo com os mesmos jogos de sempre e, às vezes, um joguinho novo que eu e minha irmã alugávamos na sexta-feira, porque a devolução caía no domingo e eles estendiam até segunda. Ou, no máximo, uma fita nova que meu primo-vizinho me emprestava, quando pegava com os amigos dele.

Computador? No sir. Isso era só na loja do meu pai e para trabalho. O primeiro computador da casa foi quando minha irmã entrou no Ensino Médio. E aí a internet era discada AND cara, então era só no domingo.

Celular ganhei faltando um mês pros meus 14 anos. Minha irmã já tinha 18! Ganhamos o mesmo celular, “o primeiro com tela colorida”, segundo o meu pai.
Antes disso, nossa diversão era trocar o toque do celular dele por um monofônico “La Cucaracha” e ligar pra ele enquanto estivesse na fila do banco, só pro véio passar vergonha. A gente nem via a cena, mas só de imaginar a cara dele, morríamos de rir.

Meu ponto é: eu tinha pouco acesso a essas coisas, assim como era com a minha irmã, quatro anos mais velha que eu, ou meus primos, 5, 7 anos mais velhos. Mas quando a gente tinha, cara, era MUITO MASSA.

Minha infância foi maravilhosa. E eu me divertia muito descendo de carrinho de rolimã com meus primos e minha irmã… Tanto quanto me divertia quando a gente se juntava nas férias pra passar uma fase foda do Super Mario World.

O capote que levei com minhas 2 primas e minha irmã descendo no genial carrinho de rolimã com rodas de velotrol planejado para 4 pessoas que meu primo criou está guardado na minha cabeça com o mesmo carinho que guardei o tilt no videogame logo depois de fiiiinalmente passar aquela fase desgramada do mundo especial, a “Tubular”, porque pulamos demais e trombamos com o console sem querer. Foi uma tragédia.

Nossa infância vai ser sempre maravilhosa. As crianças de agora não vão se arrepender de nada. Eles vão se divertir com as coisas novas que vão aparecer e lembrar com carinho das antigas.

Ou será que a emoção de jogar um Wii ou um Xbox com Kinect pela primeira vez foi só minha?

E, quem somos nós para falar deles?! Com a minha idade, minha mãe estava casando com meu pai e planejando uma vida inteira. E eu não sei nem o que vou fazer daqui um semestre, quando acabar a faculdade. Eles compravam móveis para casa. Eu comprei um tablet.

O que eu vejo? Um monte de marmanjo de 30 anos SE DIVERTINDO HORRORES com um aplicativo para iPadPodPhone e reclamando de crianças que jogam joguinhos.

Se temos direito de reclamar da infância que essas crianças de hoje levam, acho que nossos avós tem também o direito de reclamar da nossa. Ou mesmo da nossa vida atual, né?

Alguém se arrisca a perguntar pra minha avó, que casou com 17 anos (porque o pai dela ia mudar de cidade e era mudar ou largar do namorado), lavava roupa no riacho e estendia na grama e limpava a casa da sogra subindo em banquinho pra limpar no alto, mesmo grávida de 8 meses, o que ela pensa da vida que levamos agora?

I don’t think so.

28 comentários em “Cada geração no seu quadrado

  1. Filipi Neves

    Excelente!!! Hoje é o meu aniversário e eu estava refletindo justamente sobre tudo que fiz e deixei de fazer…
    Infância é isso, não importa de quem ela é, mas ela é sempre AWESOME!!!

  2. Robson Kanopka

    Ja vi o video..o muleke fica xaropao, mas vale a pena, nme lembro muito bem do dia que eu e meu irmao ganhamos o Atari 2600, ero o top do top da epoca era muito bom.. , hoje tenho Xbox360 com kinect kkkk e tenho um emulador com todos os jogos do atari, de maquina de fliperama, master system e mega drive, as vezes bate a nostalgia kkk sou uma eterna criança.

  3. Thiago Toshiaki

    Eu penso o mesmo! Que bom que alguém com bom número de visualizações escreveu isso! Não são as coisas mágicas que fazem a infância, mas a infância que faz as coisas mágicas.

  4. Rafael Kaen

    É claro que a infância nossa é melhor que a de quem é mais novo e quem é mais velho diz o mesmo, meu primeiro video game foi o Dynavision 4, o primeiro celular só meu ganhei com 22 anos, hoje em dia com 7 anos tem moleque com Iphone na mão, bom, o mundo muda!

  5. Ana Cláudia Santos

    O que eu acho legal em vocês duas é o orgulho que vocês têm da história dos seus pais, da familia mesmo. Adorei o texto e concordo plenamente :mrgreen:

  6. Yuri

    Acho que o que a galera mais reclama e critica dessa geração, é a falta da dita “infância” mesmo, que não é a mesma coisa do que foi a 10 anos atrás, quando vc ainda brincava de esconde esconde, jogava bola na rua, andava de carrinho de rolimã e tals. Hoje são coisas totalmente diferentes e mais tecnológicas. Globalização tá ai pra isso né meus amigos… Muita gente não considera infância, vc com 10 12 anos, se maquiando, comprando um monte de roupa de marca e querendo pegar todas as menin@s do colégio e por ai vai… Na real, eu olho pra molecada hoje, e fico meio assustado. E digo isso pq dei 2 meses de aula pra 3º ano, no ano passado e não gostei do que eu vi não. ;p

  7. Marco De Toni

    Demais!

    Minha infância foi boa – tive as frescalhadas tecnológicas desde muito cedo, mas isso não me tirou o gosto de subir em árvores, carrinho de rolimã, guerra de laranja e até outras coisas AHUahuA… A criançada de hoje tem uma diferença sim pra nossa época (mesmo eu sendo 5 anos mais velho que você) – às coisas se tornaram mais fáceis e extremamente mutáveis – o que acontece? Uma coisa é fantástica enquanto não aparece nenhuma outra melhor.

    Bom texto =))

  8. Renato Huard

    Muito bom Maira! juro que mal passou pela minha cabeça qual era sua idade, passamo um bom tempo conversando com a Deka, por falar nisso vc não foi na CP esse ano né? Fazia um tempo q não passava por aqui! Realmente lembrar de tudo que fizemos é sempre muito bom, por que foi NOS que passamos pela experiencia. O texto fala tudo. Eu me vejo no seu lugar quando conta as artimanhas. E recordo-me das minhas. Grande abraço Ma, e mande lembranças aos cachorros XD . bjo

  9. Renato

    concordo em partes com o comentário do Yuri, na verdade a questão não é qual infância foi melhor, mas o que se entende por infância em si. Sou de 84 e posso dizer que as “crianças” e jovens da época eram muito mais “inocentes” do que a nova geração, não sei ao certo se isso é bom ou ruim, mas apenas assusta quem é de uma geração anterior. De qualquer maneira, evolução e mudanças sempre vão ocorrer de tempos em tempos e pode ser que os jovens de hoje acreditem que tiveram uma melhor infância do os jovens da próxima geração. Tem um filme interessante que aborda essa questão das gerações, o “meia noite em paris” do Woody Allen. Tecnicamente sempre achamos que a geração anterior foi melhor. 😉

  10. Expoleta

    Verdade, existem os conflitos de gerações, Na minha infância eu jogava pong, battletoads, duke nukem, soltava pipa descalço tomando sacolé de frutili e curtia um porradoball com bola de meia no recreio ouvindo guns n’ roses no radinho. Hj a gurizada tem Modern warfare 3, Skyrim, vivem conectados até pra cutucar o outro que está na frente do caminho. Mas, tudo isso está relacionado ao progresso tecnológico da evolução.

    Mas o mais importante é se integrar e participar dos novos recursos ao decorrer dos anos. Não ficar questionando quem é o certo, qual geração curtiu mais.

    Eu vivi o ontem, vivo o presente e penso como tão foda vai ser o futuro! Quisera eu ter o meu avô pra mostrar o Diablo 3 que vai sair logo logo, ouvindo um Steve Ray Vaughan, comendo os bolinhos de uma receita antiga, conversando sobre a nova era tecnológica. =]

  11. Luis Santos

    Ficou bem claro para todos que a Mirian é quatro anos mais VELHA que a Maira.

    Ouviu, VELHA?

  12. rafa

    Cada um no seu quadrado. perfeito. mas confesso que não tenho inveja nenhuma da criançada de hoje, excepto uma coisa. os tennis com rodinha a la patins. isso bem que podia ter sido inventado no começo da década de 90 😉

  13. Diego

    Nossa infância sempre vai parecer melhor porque tem um valor emocional e um monte de lembranças.
    Talvez a minha infância não tenha sido melhor que a da geração atual, mas que foi ótimo crescer nos anos 90, isso foi.
    Só não consigo me adaptar ao fato de crianças com menos de 2 anos usarem todo o tipo de aparelho eletrônico e frequentarem escola. Me causa a sensação de que estão pulando etapas.

  14. Enio Luiz Vedovello

    As frases “Claro que foi. Foi a SUA infância.” mataram tudo, Maira!
    É fácil comparar com saudosismo o que tivemos. E sempre temos a tendência a ver apenas os aspectos bons do que aconteceu no passado. Ou romantizar as coisas ruins.
    Toda infância, toda vida, tem seu lado bom e seu lado ruim. O importante é saber disto sempre, e procurar olhar as coisas com isenção, sem preconceitos.

  15. Diego

    Mi, até a Maira tirou a poeira do teclado e postou um texto. E suas últimas duas postagens aqui no Subs foram e-mails dela. Ou seja, você está nos devendo algo seu ainda. Seus leitores estão com crise da abstinência já. =P
    Eu, como leitor número 1 e número 2 do Subs, me sinto no direito de cobrar isso. hehe

    😀

  16. Fernando Quirino

    Tive que ouvir na minha sala de aula de psicologia que “as crianças de hoje em dia estão sendo prejudicadas porque passam muito tempo dentro do computador”. WTF? Então a minha avó foi muito prejudicada porque usava energia elétrica demais? Povo não tem noção do que é tecnologia, do que significa “instrumento” dentro de psicologia do desenvolvimento e que CADA GERAÇÃO TEM A PORRA DOS SEUS RECURSOS. Deal with it, né? hahaha

    PS: que bom que não largou total de escrever. =*

  17. Fernanda

    O problema é que as crianças de hj tem pouca infancia.. eu brincava de boneca até os 14 anos hj em dia crianças com 12 anos já carregam outras crianças no colo!!! tenho irmãos mais novos e o máximo que fazem é se divertir na internet!! sem contar as festinhas para “crianaças ” aqui em Campinas regadas a alcool e drogas.. na minha época nem sabia o q era isso!!! Por isso digo que minha infancia foi melhor q das crianças de hj….

  18. Leandro Medeiros

    O texto remete aquele famoso trecho do Filtro Solar:

    “Aceite certas verdades inescapáveis: os preços vão subir, os politicos vão saracutiar, e você também vai envelhecer.
    E quando isso acontecer..
    Você vai fantasiar que quando era jovem os preços eram razoáveis, os políticos eram decentes e as crianças respeitavam os mais velhos.”

    Toda geração fantasia que nos tempos deles as coisas eram melhores e mais fáceis.

  19. Gustavo Salles

    Maira,

    Quando nós, os velhotes de 30, 35, 40 anos, clamamos com saudosismo, nossa época de infância, não queremos dizer que a nossa infância foi melhor… costumo dizer que não é porque alguém tem AIDS, que vou menosprezar a minha gripe. Ela é MINHA. Como você mesma disse no texto.
    Nossa crítica, é que as crianças de hoje, além de viverem reféns da segurança, por isto, reclusas dentro de casa, sofrem ainda da falta de monitoramento. Na minha época (tenho 35), pais e mães, chegavam do trabalho, as 18:00h. Hoje em dia, só saímos neste horário, para correr para o curso de especialização ou algo do gênero… e, para chegar em casa, basta mofar em um trânsito de 3 horas.

    Você, pode se considerar abençoada, por ainda ter aproveitado, sem riscos, descer de carrinho de rolimã… hoje em dia, a molecada não tem esta mordomia. Crianças são levadas das portas das escolas… por isto, não podemos deixá-las sozinhas.

    Outra coisa, nos dias de hoje, a criança abandona a infantilidade, por volta dos 10/11 anos… a partir daí, ela tem que ficar, beijar na boca, se vestir e se portar de forma sensual. Não serei hipócrita… eu era avançadinho. Mas, o avançadinho de ontem, é o rotineiro de hoje e com anuência das meninas.

    Então, quando dizemos que tivemos infância, foi porque fomos os derradeiros de uma era: Já havia alguma revolução tecnológica (computadores – no trabalho dos pais, videogames – apenas finais de semana e dependendo das notas) , havia segurança suficiente para brincarmos no meio da rua até tarde, nossos pais podiam se dar ao luxo de estar ao nosso alcance, em um horário plausível, a televisão, transmitia uma programação mais inocente, pensávamos duas vezes antes de trocar uma brincadeira pela possibilidade de roubar alguns beijinhos.

    Hoje, assisto sorridente, porém sem inveja, minhas pirralhas pulando e dançando na frente do kinect (sou da geração joystick, além de estar gordo igual a um leitão, para ficar pulando na sala), pois a mesma tecnologia que em parte os tirou das ruas, é a mesma que os está tirando do sedentarismo!

    Abraços.

  20. Ana Carolina Cabral

    Eu amo, adoro de paixão o blog de vocês, leio desde… sempre! aushhuahusahus
    Por favor, quando der, dêem uma olhada no meu, e me digam o que acham? se estiver uma mierda, podem falar tmb! asuhahshua
    Besos!

  21. Krystian

    😀 Com certeza, a infância é algo único, independente de como, ou com quê, ela seja vivida.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *