EXCELente

Essa semana, passei por uma experiência kinda traumática. Fui lá fazer aquilo que as empresas fazem de má-vontade e a gente faz com o cu na mão: entrevista de emprego.

Pra começar, estou eu toda trabalhada no preparo emocional, e aí… os corno me mandam voltar dali dois dias.
Dois dias depois, saio toda feliz, andando de mãos dadas com a esperança de um salário nessa vida de merda. Ando uma eternidade para chegar ao metrô, carrego bilhete único, saio do metrô para pegar o ônibus e… perco a desgraça (do ônibus, nunca a minha). Fico ali meia hora com o coração palpitando, xilique nas pernas, achando que ia perder a porra do horário. Garrei na esperança que tava querendo me largar.

Chega o ômbus. Me arrumo ali, naquela lata de sardinha, sem nem segurar, porque o povo vai tão junto que não tem nem espaço pra cair. Todo mundo tipo joão bobo. Eis que (óbvio), no meio do percurso, um barulho MUITO ALTO no ônibus indica que alguma coisa que fazia parte do ônibus agora não faz mais. Motorista anda mais umas 3 quadras e encosta. E vem o anúncio: “A bolsa caiu.”

Bolsa? Que porra de bolsa é essa? Porra, cobrador, deixou cair a bolsa com a marmita?!

Bolsa de ar. Aparentemente, aquilo que não deixa o ônibus ficar rebaixado quando tem uma cacetada de jão dentro. O que, né, era nosso caso.

Todo mundo pra fora.

Detalhe: eu não sei me virar em São Paulo sem o site da SPTrans e o Google Maps. Não sei chegar em lugar nenhum sem ver percurso, numeração da linha etc. Afinal, São Paulo não é Americana, onde QUALQUER ônibus que você pega, até os interurbanos, passa pelo terminal, de onde, obviamente, sai também qualquer outro ônibus.

Aí ficou lá a caipira, enfiando a cabeça pra dentro de qualquer ônibus e perguntando se passava na rua tal, até que descobriu um que “passava ali perto”.

Finalmente, meu destino. Entro, pego um lugarzinho. Espero ser chamada.

Pensem comigo: o que pode ser uma entrevista para “assistente de professora de artes”? Na minha cabeça, nada mais que algumas perguntas bobas tipo “O que você acha de arte-educação?”, “Qual foi a última exposição de artes que você visitou?” e tal. Já tinha passado por isso, tava baba. Nas tranqulidade, sento, espero uns 5 minutos enquanto a atendente, com um fone de ouvido, fala com alguém de outro setor e ri. Então ela começa o conversê:

“Bom, Maira… Você vai fazer uma redação e uma prova e…”

O QUÊ?! REDAÇÃO? PROVA? QUE PORRA É ESSA? EU TÔ PRESTANDO VESTIBULAR OU TENTANDO UM EMPREGO?!

Mas escolha é que eu não tinha, fiz a redação e fui pra prova. Ah, a prova.

Imaginem uma matéria que você aprendeu, sei lá, na quarta ou quinta série, e que nunca mais, e com certeza absoluta, NUNCA MAIS usou. Era o caso. A “matéria”? Não riam dessa pobre burrica: Excel.

Agora, PRA QUÊ DIABOS uma ASSISTENTE DE SALA da PROFESSORA DE ARTES precisa mandar muito no EXCEL?!

Claro que eu não sabia fazer NADA. Num ato de desespero… abri a ajuda. E li. Li até me convencer de que não sabia que porra era “matriz” e “k” na fórmula de percentual. Como sou brasileira, ainda fiquei sentada lá uma hora até entender que.. é, eu não sabia nada.

Finalmente, a entrevista de verdade verdadeira. Uma mulher muito mal-comida que nem olhava pra minha cara, muito menos anotava o que eu dizia. Sabe quando você tem uma frasezinha básica que geralmente ganha os entrevistadores? Então… A minha é “Essa experiência seriam bem interessante porque pretendo lecionar e…” e nessa hora, sempre fazem uma cara SUPER FELIZ e é win. Sempre. (Pra constar: eu pretendo mesmo lecionar. Não é mentira pra entrevistador!)

De qualquer forma, minha frase-chave não funcionou. A mulher nem levantou uma sobrancelha. Nada. Nesse momento eu tive a certeza absoluta de que tinha me fodido. E, como dizem por aí, tá no inferno, abraça o capeta. Então, eu fiz o que me restava: desandei a mentir. Disse que já tinha experiência em escolas, em vários cursos. Menti tanto que esqueci de contar que tive experiência (de verdade) com crianças em ateliê, no meu antigo emprego. É nóis.

Legal é que uns dias antes da entrevista, um amigo me disse que tinha se fodido numa entrevista por não saber Excel. Aí fui contar minha experiência a ele, e, como o mundo é mesmo uma ervilha, a vaga que eu não tive a capacidade excelística de conseguir era a mesma dele.

Mas é isso aí, amigos são pra essas coisas… rir, chorar, se foder no Excel.

Agora quero ficar um tempinho sem fazer uma entrevista. Vou primeiro aprender mecânica, elétrica, marcenaria e culinária. Porque, seguindo a (falta de) lógica, vai que eu precise, pra ser estagiária num museu. Né?

34 comentários em “EXCELente

  1. Natachya

    Pensa pelo lado positivo: essas coisas acabam sendo um filtro pro lado dos entrevistados também. Imagina trabalhar com um povo da vista tãu curta quanto esse daí?

    Joga as mãos pro céu e agradece… podia ser pior.

    Beijoca

    @natacha_o

  2. Celso

    Porra, excel é uma zica…não sabia que isso era tão importante(?) principalmente para uma professora de artes.
    Eu não sei nada sobre o office, o máximo que eu sei é o básico do word e olhe lá. Tive que aprender o excel na marra aqui na empresa (No caso, tive sorte e a empresa é dos meus tios). Se fosse em outro lugar, provavelmente eu seria reprovado no Excel e mandaria tudo pros ares. 🙂

  3. Marina

    Uma vez, numa entrevista de emprego, eu e os outros candidatos fomos jogados numa salinha e tivemos que responder o questionario mais bizarros de todos, que perguntava coisas do tipo “Você já sentiu atração por um menor de idade?”, “Já foi preso?”, “O que acha do homosexualismo?”.
    Eram 60 perguntas tão bizarras quanto, mas que com certeza não era a melhor forma de descobrir se a pessoa é pedofila, gay ou psicopata em potencial.
    Mas né, vai algupem dizer isso pra empresa….

    P.s.: Não me pergunte porque, mas eu não passei na entrevista.
    Mas JURO que sou boa pessoa e nunca molestei ninguém. haha

  4. Marcella

    Ah, hoje as coisas não fazem mais nenhum sentido. Fui fazer uma entrevista para ser promoter de eventos, vulgo menina-em-pé-sorrindo-pro-mundo, quando a mulher me pediu para fazer prova de digitação. Fiz a prova tranquila, mas pensando se eu não tinha entrado na entrevista errada. Passei na prova e perguntei pra secretária o que aquilo tinha a ver com o evento, eis que ela me respondeu que receberíamos máquinas para cadastrar as pessoas que visitasem o stand. No dia do evento eu recebo a tal máquina e qual não é a minha surpresa? A máquina tinha 3 teclas. 😆
    Vai entender a lógica, hein?!
    E não adianta, Excel fode qualquer um!

    beijos

  5. André

    Achei muito engraçado, tbm estou passando por essas situações.
    Americana nem é tão fácil de andar de ônibus mas lembro do motorista parando na rua pra conversar (isso faz muitos anos).
    Acho que as coisas ruins acontecem para que possamos pegar o melhor mais pra frente

    Boa sorte!

  6. Rogério

    É mesmo complicado… Sabe-se lá se a própria avaliadora/entrevistadora teria noção sobre o que era exigido…

    Abs

    @rogeriovin

  7. Pingback: Tweets that mention Substantivolátil » Blog Archive » Excel-ente -- Topsy.com

  8. Weslley Talaveira

    Pois é, eu passo por essa situação sempre. Tb tô na saga de procurar em emprego, e com isso aprendi a andar em SP inteira. Virei um mapa ambulante! hahaha

    Na minha busca pelo emprego perdido já vi cada coisa… Desde prova com questões de biologia pra vaga de Publicidade até “dinâmica de grupo” que me mandava imitar passarinho… Essa é a minha vida! auhuahau

    Gde beijo!

  9. Henrique

    Pqp, que furada essa entrevista. Essas empresas procuram robôs e não pessoas para trabalhar, é inútil ver que esses processos sem pé e nem cabeça acontece, fico puto com isso. Quando não colocam psicólogos para entrevistar os candidatos analisando até a forma com que elas se colocam na cadeira, o conhecimento, horas de estudos, leituras etc. Nada vale para esses FDP’S

  10. Cristiane

    Pois então Maira. Já passei varias vezes por esta situação. O engraçado foi que na minha ultima entrevista eu já não levava muita fé. Vou te contar a historia bem resumidinha. Na época eu estava trabalhando em um quiosque de agua de coco que ficava em frente a uma agência de viajens. Porém o dono do quiosque havia colocado a barraca à venda e eu na ocasião iria rodar completamente, pois estava pagando faculdade e não tinha noção onde eu arrumaria um outro emprego, já que todas as entrevistas que fiz não sei porque cargas d’agua não deram certo…rsrsrs. Então a supervisora da agência de viajens me convidou para uma entrevista e eu mesmo desanimada resolvi ir. No dia da entrevista eu já fui ciente de que eu poderia sair dali do mesmo jeito que entrei…rsrsrs. Sem nada, Estava completamente desiludida com entrevistas estranhas e pessoas que te olham com cara de quem esta com o pai na forca. Fui para entrevista com o cabelo nas alturas, chinela rasteirinha, calça jeans meia canela e uma jaqueta também jeans, pq fazia um pouco de frio e também por eu ter ido direto do trabalho da barraca de coco a blusa de baixo estava meio suja…rsrsrs. Não estava nem um pouco confiante e até envergonhada por estar naquelas situações, porém para minha surpresa já gostei logo da pessoa que me entrevistou, Fiquei super a vontade, pedi desculpas pelos meus trajes, fiz a tal redação, (naõ sei pq tinha que fazer uma redação, mais fiz, e ficou até bonita e emocionante, pq falei da dificuldade de se conseguir trabalho e pagar faculdade e coisa e tal…rsrsrs), a moça me fez algumas perguntas e encerramos a entrevista. Dias depois estava empregada, três meses depois com a carteira assinada e três anos depois cá estou eu te contando esta historia direto do emprego que conquistei depois desta tal entrevista que vos falei. Sabe o que acontece Maira? Tudo tem seu tempo e acredite que sua hora ainda vai chegar, isso acontece quando menos esperamos. Acredite vou torcer por vc. Bjos… 😉

  11. Renato

    Gostei muito. Não de vc ter se dado mal claro rs, mas do texto em si! Só não entendi uma coisa! Isso tudo aconteceu com a Miriam certo? Me confundi quando olhei no post e esta a foto da Maira.
    bjs

  12. Cristian

    Há quanto tempo não tinhamos uma história daquelas que SÓ acontecem com as irmãs Bottan; mas foi melhor mesmo você não ter conseguido esse emprego, CERTO que os conhecimentos da futura contratada serão pra função “auxiliar” de secretária. =) boa sorte.

  13. Aline Mindelli

    Que legal que você chegou ate a entrevista presencial. Eu fui encaminhada para um processo seletivo cuja a PRIMEIRA parte não era prova de Excel nem Redação, era por telefone mesmo. COMO É QUE SE PREPARA PARA PARTICIPAR DE UM PROCESSO SELETIVO PELO TELEFONE QUANDO VOCÊ É A PESSOA A RECEBER O TELEFONEMA E OUVIR: OLÁ, A PRIMEIRA ETAPA DO PROCESSO DE SELEÇÃO É PELO TELEFONE. fUUUUUUUUUUUUUUU

  14. Júnior Gonçalves

    Hahahaahaha!!! Excel é pra quebrar as pernas mesmo, tanto em entrevistas como essas como em concursos que eles perguntam coisas idiotas como “O que acontece se você apertar Ctrl + Alt + i ?”

    Adoro o modo engraçado como essas irmãs contam fatos corriqueiros do dia-a-dia, mesmo quando elas se dão mal.

    Abraços,

  15. Beatrice

    Excel é tão simples, eu adoro, e graças à ele não sei usar uma simples calculadora. Difícil é escrever um texto aparentemente tão sem graça e fazer a leitora aqui chorar de tanto rir. 😛

  16. Jeniffer

    outro dia fiz uma entrevista para assistente de vendas… onde tive que fazer uma prova de matematica e uma de logica o.O … pensei que a prova de matematica seria de porcentagem..afinal..vendas trabalha com isso.. (e tinha…eeeeh \o/ nisso eu sou bouuuua!!) mas TINHA TAMBÉM..geometria.. pra que diabos vou usar geometria em vendas? tenho certeza q foi ai q me fodi…. ai veio a provinha de logica.. sou mt anta e nao entendi a logica do barato “qual numero nao pertence ao grupo 8 7 6 5 4 7 9” mas q porra eh essa.. pensei..eu la vou saber.. me fodi de novo.. ai esperando a menina vim buscar meu segundo teste.. reparei q qdo cheguei tinha uma menininha (tenho 27 anos e sou formada a 3 anos) que creio que eu q nao tenha mais q 19 anos…(porém nao aparento ter 27 todo mundo acha q tenho menos..mas esse realmente nao eh o caso dela) a moça do recrutamento trouxe outra prova pra ela..de portugues eu acho..e me dispensou… mas meu… é uma porcaria de uma prova de matematica que prova haha q sou uma prova profissional? acho que nao neh… sai da entrevista revoltada.. pq obvio q a menina vai lembrar geometria e o diabo a quatro..acabou de sair da escola… ou tem QI – quem indicou haha

  17. vicenzo

    Melhor sorte da proxima vez…
    E aprende excel!

    E gastronomia??? Po como diria o edutestosterona, ah vem hardcoded no dna feminino.

    So pra constar, e n ficar parecendo trollagem eu sou formado em ciencias da computacao e gastronomia

  18. Ana Claudia

    kkkkkk,; adorei a história quase faço xixi nas calças de tanto riiiirrr…………

  19. Andréia Borba

    Huehueheuheu! Desculpe, as preciso rir… Situações absurdas como essa sempre acontecem comigo… E malditos entrevistadores! Mas preciso concordar com vc…Que porcaria de excel!!!
    Bjs!
    Déia

  20. Carlos Guitar

    Olá mocinha !
    Olha, eu sei que pimenta no dos outros é refresco. Mas você escreveu essa situação da entrevista com tanta riqueza de detalhes, que eu tive que vir aqui fazer um comente.
    Essa história do excel é verdade. Meu amigo foi fazer uma entrevista pra ajudante de cozinha e não conseguiu porque não sabia excel. Vivendo e aprendendo, não é ?
    Você escreve muito bem menina. Um grande beijo, e até mais !

  21. luanzzinhoo

    :mrgreen:
    Eu ri muuuito.
    Principalmente a parte do busão.
    Infelismente é a dura realidade de São Paulo :S

    Otimo post.
    😆

  22. Roniere Soares

    Mto engraçado, agora não acho que a mulher que em uma entrevista me perguntou “pq vc quer trabalhar nessa empresa?” seja tão má assim. Mas bem que deu vontade responder “ganhar dinheiro e gastar ele todo no fim do mês”. Ou um simples “não sei”.
    Mas pq não postou isso no seu proprio Blog?

  23. Leroi

    Sou programador e só uso o Excel para abrir as planilhas que me mandam. Bem que você poderia perguntar o motivo dessa prova sem pé nem cabeça.

  24. Rodrigo Vilela

    Se quiser umas aulinhas gratis de Exel eh soh falar… hehehe… eh mto facil de aprender… bjos

  25. Maya Bruz

    Olá, é a primeira vez que acesso o seu site.. e amei… gostaria muito de poder seguir vcs.. mas acho que não tem como né?
    Um abraço pra vcs e continuem assim!!

  26. Humberto Massa

    Maira, fica uma sugestão: ao invés de “aprender mecânica, elétrica, marcenaria e culinária”, vai aprender Excel. Hoje você não passa nem em concurso para gari se não souber aquele trem…

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *