Fazer o bem, mas OLHANDO MUITO BEM A QUEM

940_27-02
espera eu comprar, senhor ladrão

Em 2010 comprei um lindo celular. Eu mesma escolhi, era TOUCH e ROSA, tipo super descolado e lindo. Eu estava apaixonada por ele. Até carregava um paninho pra limpar a tela.
Completava exatamente 2 semanas que tinha comprado quando, indo trabalhar num puta sol da porra, em plena 13h30 da tarde, um cara desceu de uma moto e veio em minha direção. Ele falou alguma coisa, eu não entendi. Com toda a minha simpatia, sorri e disse “Como? Não te entendi!”

E ele repetiu, pausadamente: “Isso é um assalto. Cala a boca e me passa o telefone.”

Eu tinha pago 1 parcela. Eram 5.

Minha irmã ficou com dó da minha estupidez e me deu um telefone que tinha lá, extra, uns dias depois. Fiquei super contente com ele. Não era rosa, não era touch. Mas pra quem ficou sem celular por pensar que o assaltante era alguém perdido nas ruas de São Paulo pedindo informação tava ótimo.

Daí fui comprar um café, coloquei o celular na bolsa, paguei o café e o celular já nao estava mais na bolsa. PUF. Nem vi.
O café mais caro da minha vida.

Comprei um outro, e fiquei com ele 1 ano. Ano passado, resolvi dar de presente pra minha mama um telefone, porque o dela dava até dó.

Numa super promoção, comprei o dela e um igualzinho pra mim. Senti que era meio especial. É idiota, mas sabe essas coisas que a gente faz uma relação tonta e sentimental?

Aí, já aqui em Buenos Aires, num sábado, fui visitar uma amiga. Ela estava sozinha e eu quis ir fazer companhia, então fui até a casa dela (1 hora de busão), mas antes passei na padaria que ela curte e comprei uns doces e uns pães, pra tomar um café da tarde com ela.

Voltava contente pela tarde tranquila, cantarolando na rua e nem notei que uma moto parou ali — notei depois, quando um cara me roubou a mochila e me jogou no chão enquanto eu tentava bater nele e o xingava (em espanhol, pra constar. O que é engraçado, porque nunca pensei que em um momento de pânico ia xingar em espanhol. Chamava ele de “hijo de puta” e mandava soltar minha mochila (coisa que ele não ia fazer, afinal, estava tentando roubá-la).

Isso faz uns 2 meses. Depois disso, juntei uns trocadinhos e comprei outro telefone. Afinal, esse ano dei meu grito de independência e fui tentar a vida em outro país e não tá fácio o financeiro, minha gente.

E eis que hoje hoje aconteceu algo simplesmente sensacional.

Acordei, mandei mensagem de bom dia pros meus amigos daqui, combinei de sair com um de sair para passear de bicicleta à tarde, porque hoje trabalho só meio período. Por esse motivo, saí de casa sem bolsa. Porque, né? Super incômodo sair pra passear de bike com bolsa e no último assalto me roubaram a mochila.

Saí de casa, coloquei o celular no bolso do casaco e fui pegar o ônibus pro trabalho.

Descendo na parada do ônibus, um velho passou mal perto de mim. Caiu uns 3 degraus da escada, eu o segurei. Uma senhora ajudou. Eu o ajudei a descer, ele colocou a mão no peito e começou a passar mal.

Minha mãe me deu uma boa criação. Ele estava tendo um ataque cardíaco. Eu estava atrasada mas, pô, deixá-lo lá não dava. No alto do meu heroísmo, ajudei o velho, ajudei a atravessar a rua e ele disse “Foi um susto, foi um susto… Obrigado, obrigado.”

E o deixei. Aí meti a mão no bolso pra ver a hora e… cade meu celular? Pensei “Porra! Me roubaram no busão enquanto ajudava o velho, puta mancada!”

Saí correndo como louca no meio de uma avenida de 3 faixas. Olhei e tinha 4 ÔNIBUS IGUAIS. Cena de filme, já me deu um ataque de nervo. Me meti no meio de dois ônibus, falei pro motorista que haviam me roubado.

Subi, não era aquele. Desci, entrei no do lado. Também não era.

Gritei igual uma gralha doida: “ME ROUBARAM E EU NAO SEI EM QUAL ONIBUS!”
Gritei pro motorista “SEGUE AQUELE ONIBUS!”
Ele seguiu, eu desci, entrei e não era aquele também! Falei pro motorista, “AVISA O ÔNIBUS DA FRENTE PRA NÃO SAIR!!” mas era tarde. O ônibus certo se foi.

Daí desci, chorando já. Na parada do ônibus, a senhora que me ajudou com o velho ligou os pontos — o velho se recuperou de um ataque cardiaco JUST LIKE THAT e roubaram meu telefone. Óbvio. Foi o velho.
Voltei correndo, mas né? Entre todas as trocas de ônibus, andei 4 quadras. Nem se ele estivesse mesmo tendo um ataque cardíaco ainda estaria lá.

Então tô meio triste, porque passei 22 anos aprendendo a ser uma boa pessoa e quando tenho a chance de exercer isso com um velho tendo um ataque cardíaco, ele me rouba.

Agora estou aqui, em outro país, sem telefone e sem dinheiro pra comprar um.
Dizem que o Universo traz de volta, né? Nesse ritmo, o Universo vai me dar de presente uma loja de celulares inteira.

Se alguém aí quiser me dar de presente adiantado ou atrasado (já que estamos exatamente no meio do caminho para o meu aniversário), eu super aceito. E se quiserem dar de presente para a minha irmã, repassem o presente pra mim, pois ela já perdeu na areia, já derrubou na piscina, já esqueceu no táxi umas 57 vezes e, de alguma forma, aquela pilantra sempre arruma um novo. Ô mundo injusto.

10 comentários em “Fazer o bem, mas OLHANDO MUITO BEM A QUEM

  1. Diogo C. Scooby

    Caramba, que epopeia dos celulares. Eu tive uns 4 ou 5 na vida e só perdi um, os outros se foram pelo uso.
    Quanto ao o velho ladrão…Quando chegou nessa parte da narrativa eu desconfiei dele, é fogo isso, as pessoas de bom coração sempre correm o risco de serem passadas pra trás, mas acho que o mais importante é se manter a candura, já que cada vez é mais raro se encontrar o bem por ai.
    No mais, boa sorte com o cel. novo, que tenho certeza logo vai aparecer.

  2. Fernando Quirino

    Ironicamente, o tanto que a Mirian consegue perder celular, você consegue ser assaltada. Você é tipo a rainha do assalto INTERNACIONALMENTE. Na boa, é incrível como coisas que acontecem poucas vezes com uma ou outra pessoa, acontecem com vocês duas em bases mensais. Nem roteirista de novela tem tanta imaginação pra “colocar essa turminha do barulho em altas confusões” viu? hahahahahha

    PS: Eu to com o mesmo celular a 3 anos e ainda assim nem to pensando em trocar imediatamente pq ele tá igual novo. =p

  3. Fefa Lujan

    A partir do momento que você disse que o tiozinho melhorou do nada, já matei que ele tinha te roubado. Não é fácil! KKK

  4. Yohana

    Sei bem como é! Agora tenho meu xing ling que é ótimo por motivos de: ninguém quer roubar. Hoje mesmo, en Colegiales, un cara do nada me pediu dinheiro, eu disse que não tinha… A tonta aqui tava segurando o celular; ele deu uma olhada e.. foi embora! haha

  5. Fernanda

    Conterrânea! Hahah alôoo rio preto!
    fui roubada, aliás, furtada essa semana também, dá uma bad né? Me senti passada p trás, ???? logo vc arruma outro, e eu também! Assim espero!
    Bjs!

  6. Nardotto

    Mas que idoso engenhoso, genial. Sua situação é tão comovente que deu ate vontade de mandar um cel bagaceira pra sua irmã te entregar.

  7. Maira

    @Diogo C.Scooby Obrigada! Espero que apareça logo, porque tô usando um que é tão velho que até lanterna tem. 😛

    @Fernando Quirino Hahahaha que grande título: rainha do assalto INTERNACIONALMENTE.
    hahahahah! obrigada por tratar a minha vida como uma bela novela. hahaha.

    @Jeff Sal grosso. Vou comprar 5 quilos de sal grosso.

    @Fefa Lujan Po, cade vc pra estar comigo quando eu não desconfiei do velho??

    @Yohana O meu atual é um tijolar com lanterna. Ninguém quer. Nem eu.

    @Fernanda Sorte, muié!

    @Nardotto own! <3 hahaha!

    @Diego Fávero Pega nada. A gente rouba a Copa e pronto.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *